You are here

Atualidade

Ano de 2019 foi o mais quente em Cuba desde 1951

AFP/Arquivos / Yamil LAGE (Arquivo) A ilha de Cuba é particularmente vulnerável às mudanças climáticas

O ano de 2019 foi o mais quente desde 1951 em Cuba, com uma temperatura média de 26,6°C, segundo dados do Centro do Clima sobre uma ilha particularmente vulnerável aos efeitos do aquecimento global.

O período 2010-2019 será "a etapa mais quente" desde as primeiras estatísticas disponíveis, reportou o jornal oficial Granma, citando o Centro do Clima do Instituto de Meteorologia.

Em 2019, foram registrados episódios anormais de calor todos os meses, com um pico durante o período de junho a setembro, quando as temperaturas médias excederam os 28 graus.

Em 30 de junho foi batido um novo recorde nacional, de 39,1 graus, na estação meteorológica de Veguitas, na província de Granma (leste).

Como uma ilha frequentemente afetada por furacões, muitos períodos de seca e dificuldades para obter água, Cuba é particularmente vulnerável às mudanças climáticas.

O governo cubano já reconheceu que o nível do mar aumentou quase 10 centímetros nos últimos 40 anos e que 84% das praias do país são afetadas pela erosão costeira.

Segundo previsões, o nível do mar deve subir 27 centímetros em 2050 e 85 centímetros em 2100, o que pode fazer desaparecerem quase 6% da superfície de Cuba, excluindo as ilhas, segundo o governo.

A rede mundial da AFP

200 escritórios pelo mundo cobrindo 151 países

Saiba mais
Saiba mais

Contato AFP

Você quer fazer um comentário? Escreva-nos...