You are here

Atualidade

General Motors comercializará veículos de baixo custo em países emergentes

AFP/Arquivos / JEFF KOWALSKY (Arquivo) Logo da General Motors é visto em Warren, Michigan, em 26 de novembro de 2018

O grupo automotivo General Motors (GM) anunciou nesta sexta-feira que vai vender veículos de baixo custo para países emergentes a partir deste ano.

Também anunciou sua intenção de converter sua marca Cadillac em uma fabricante de carros elétricos de luxo para competir com a Tesla.

Os carros de baixo custo, principalmente da marca Chevrolet, serão vendidos em países como Brasil, China, Índia e México, onde também serão fabricados, disse a GM em documentos direcionados a investidores.

Esses veículos também serão exportados para outros países emergentes, mas a GM descarta a comercialização deles na Europa e nos Estados Unidos.

A gigante de Detroit, que está no meio de uma fase de reestruturação, anunciou em novembro o fechamento de fábricas e a eliminação de milhares de empregos nos Estados Unidos, para frustração do presidente Donald Trump.

Com a produção e venda de veículos baratos em países emergentes, a GM espera reduzir seus custos e melhorar sua posição diante das tensões comerciais, limitando o impacto das flutuações cambiais.

A montadora, que se uniu à empresa pública chinesa SAIC, espera produzir pouco mais de dois milhões de carros de baixo custo por ano.

Chega tardiamente, no entanto, neste segmento do mercado em que a Renault-Nissan-Mitsubishi e a alemã Volkswagen já estão presentes.

O grupo americano, que investiu US$ 5 bilhões nessa iniciativa, espera incorporar as últimas tecnologias de segurança em seus veículos e promete que suas emissões de CO2 estarão em conformidade com os padrões exigidos.

A GM não deu, no entanto, qualquer detalhe sobre o primeiro Cadillac elétrico.

Não se sabe onde serão montados ou a data de início de sua produção. Também não se sabe que tipo de carro eles serão, se um sedã, um SUV ou um crossover.

A rede mundial da AFP

200 escritórios pelo mundo cobrindo 151 países

Saiba mais
Saiba mais

Contato AFP

Você quer fazer um comentário? Escreva-nos...