You are here

Atualidade

China negocia acordo de livre-comércio com Panamá, de olho na América Latina

AFP / STR As negociações começam um ano depois de o Panamá ter estabelecido relações diplomáticas com a China depois de romper com Taiwan

Panamá e China começaram a negociar um acordo de livre-comércio, com o qual Pequim procura se expandir na América Latina.

Esta primeira rodada de negociações vai se estender até sexta-feira na Cidade do Panamá, enquanto a segunda se dará em agosto em Pequim, indicou à imprensa o ministro panamenho de Comércio e Indústrias, Augusto Arosemena.

"O Panamá tem muitas vantagens para a China, e a China, por sua vez, representa muitas oportunidades e vantagens para o Panamá", disse Arosemena.

"Atrair investimentos chineses, posicionando-nos como porta de entrada para esses produtos e investimentos chineses para toda a região, é um dos principais focos que os dois países definiram como princípios fundamentais na negociação", afirmou Arosemena.

"Podemos nos beneficiar mutuamente com um nível mais alto de comércio com a China ou com uma maior presença da China na região da América Latina", disse o embaixador da China no Panamá, Wei Qiang.

As negociações começam um ano depois de o Panamá ter estabelecido relações diplomáticas com a China depois de romper com Taiwan.

A China é o terceiro destino das exportações panamenhas, com mais de 42 milhões de dólares em 2017. Só no primeiro trimestre do ano, o Panamá aumentou as exportações para a China em 10%.

O Panamá exporta ao país asiático principalmente café, peles de bovino e farinha de pescado, e vislumbra a possibilidade de vender frutas, cacau e produtos do mar.

Também espera atrair investimentos chineses para obras de infraestrutura, como portos, pontes, estradas, usinas de energia, trens e linhas de metrô.

Com uma economia dolarizada, um canal interoceânico e um sistema financeiro com uma centena de bancos, o país centro-americano quer se tornar um centro logístico para a distribuição de mercadorias da Ásia na América Latina.

"O Panamá tem condições naturais excelentes como hub logístico, comercial e centro de distribuição e provisionamento", disse Wei.

A China, por sua vez, exporta ao Panamá telefones celulares e aparelhos de TV, pneus, brinquedos, tênis e sapatos.

Além disso, é o segundo maior usuário do Canal do Panamá, depois dos Estados Unidos, e o principal país de origem de mercadorias, distribuídas ao continente através da zona franca panamenha de Colón, a maior da região.

A rede mundial da AFP

200 escritórios pelo mundo cobrindo 151 países

Saiba mais
Saiba mais

Contato AFP

Você quer fazer um comentário? Escreva-nos...