You are here

Business Wire

Takeda apresentará dados nos próximos congressos científicos virtuais para destacar a amplitude do portfólio de oncologia e o pipeline emergente

CAMBRIDGE, Massachusetts e OSAKA, Japão

A Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE: 4502/NYSE:TAK) (“Takeda”) anunciou hoje que a empresa apresentará os dados de seu pipeline de oncologia em expansão e do portfólio de produtos estabelecido em dois congressos científicos virtuais a serem realizados em breve: o 56o Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), de 29 a 31 de maio, e o 25o Congresso Virtual da Associação Europeia de Hematologia (EHA), de 11 a 14 de junho.

“A Takeda assumiu o compromisso de pesquisar e desenvolver novos produtos, que possam ajudar os médicos a atender às necessidades de pacientes para os quais existam poucas ou nenhuma opção de tratamento eficaz”, disse Christopher Arendt, chefe da Unidade de Área Terapêutica Oncológica da Takeda. “Esperamos apresentar os dados do pipeline de dois compostos em estágio avançado - o pevonedistat e o mobocertinibe (TAK-788) - ambos apresentando potencial para se tornarem terapias transformadoras para atender necessidades não satisfeitas e melhorar a vida dos pacientes. Além disso, os dados de nossos medicamentos hematológicos e pulmonares já estabelecidos expandem o entendimento da eficácia e segurança de nossos produtos em populações de pacientes apropriadas.”

Os principais dados a serem apresentados incluem:

Franquia de hematologia:

  • Pevonedistat: os resultados do estudo Pevonedistat-2001 de Fase 2 serão apresentados em uma sessão oral no ASCO. O estudo investigou o pevonedistat mais a azacitidina versus a azacitidina isoladamente em pacientes com síndromes mielodisplásicas de maior risco (HR-MDS), leucemia mielomonocítica crônica de alto risco (HR-CMML) ou leucemia mieloide aguda de baixo risco (LB-AML). Geralmente, estes pacientes têm prognósticos desfavoráveis como resultado da resposta limitada às terapias disponíveis. O HR-MDS, em particular, não se beneficia de avanços de tratamentos há mais de uma década. Os achados da Fase 2, combinados com o estudo PANTHER de Fase 3 com recrutamento completo, devem demonstrar o impacto que o pevonedistat pode causar na melhoria do atendimento ao paciente. Estes dados também foram aceitos como uma repetição da apresentação na EHA e serão apresentados oralmente.
  • ICLUSIG® (ponatinibe): a análise provisória do estudo OPTIC de Fase 2 com tempo de acompanhamento de aproximadamente 21 meses será apresentada em uma sessão oral. O estudo avalia prospectivamente os regimes posológicos baseados em resposta do ponatinibe, com o objetivo de otimizar sua eficácia e segurança em pacientes com leucemia mieloide crônica em fase crônica (CP-CML), que são resistentes ou intolerantes à terapia prévia com inibidores de tirosina-quinase (TKI). Estes dados também serão apresentados oralmente na EHA. Além dos dados do OPTIC, um pôster com os dados de uma revisão independente do estudo PACE de Fase 2, destinado a entender melhor as taxas de eventos oclusivos arteriais, será compartilhado durante a conferência.
  • NINLARO (ixazomibe): no ASCO, os resultados do estudo TOURMALINE-MM4 de Fase 3, que avalia o NINLARO versus placebo como terapia de manutenção para pacientes diagnosticados recentemente com mieloma múltiplo não tratados com transplante autólogo de células-tronco (ASCT), serão apresentados em forma de pôster. Os achados do estudo estudoTOURMALINE-MM4 também serão apresentados em uma apresentação oral na EHA. Além disso, na EHA, dados atualizados do estudo de mundo real MM-6 EUA baseado na comunidade, que avalia a inibição do proteassoma no longo prazo em pacientes com mieloma múltiplo que sofreram uma transição inclass (na categoria) do bortezomibe para o NINLARO, serão mostrados em uma apresentação oral. Os resultados do estudo INSIGHT MM, que avalia o impacto do status da vacina contra influenza e pneumococo na infecção, utilização de recursos de cuidados da saúde e morte em pacientes com mieloma múltiplo, serão apresentados em sessões de pôsteres no ASCO e na EHA.

Franquia de pulmão:

  • ALUNBRIG® (brigatinibe): a empresa continua expandindo o entendimento clínico do ALUNBRIG ao apresentar dois pôsteres que avaliam o ALUNBRIG nas configurações de pacientes virgens e resistentes de tratamento com TKI com câncer de pulmão de não pequenas células (NSCLC) avançado, positivo para quinase de linfoma anaplásico (ALK+) – uma subanálise do estudo ALTA-1L de Fase 3 em andamento, que avaliou o ALUNBRIG como uma opção de tratamento de primeira linha, e uma análise primária do estudo J-ALTA de Fase 2, que avalia o ALUNBRIG em pacientes japoneses, que progrediram em um inibidor de ALK de segunda geração.
  • Mobocertinibe: os dados sobre o mobocertinibe, um TKI de moléculas pequenas idealizado especificamente para direcionar seletivamente as mutações de inserção no exon 20 do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) e do HER2, farão parte de uma apresentação em pôster, que avalia a eficácia comparativa entre o mobocertinibe e as opções de tratamento de mundo real em pacientes refratários com NSCLC com mutações de inserção no exon 20 do EGFR.

Os onze resumos patrocinados pela Takeda aceitos para apresentação durante o ASCO 2020 e os vinte e dois resumos na EHA 2020 incluem:

Encontro anual ASCO 2020:

Todas as apresentações estarão disponíveis a pedido no site do ASCO a partir de sexta-feira, 29 de maio, às 8 horas da manhã ET.

Pevonedistat

ICLUSIG (ponatinibe)

Mieloma múltiplo / NINLARO (ixazomibe) / TAK-079

ALUNBRIG (brigatinibe)

Mobocertinibe (TAK-788)

TAK-228

25o Congresso da EHA

Pevonedistat

ICLUSIG (ponatinibe)

Mieloma múltiplo / NINLARO (ixazomibe)

ADCETRIS (brentuximabe vedotina)

Sobre o ADCETRIS® (brentuximabe vedotina)

O ADCETRIS é um conjugado anticorpo-droga (CAD), que compreende um anticorpo monoclonal anti-CD30 ligado por ligante clivável por protease ao agente de ruptura dos microtúbulos, o fármaco monometil auristatina E (MMAE), que utiliza a tecnologia patenteada da Seattle Genetics. O CAD emprega um sistema ligante concebido para ser estável na corrente sanguínea e liberar o MMAE ao ingressar em células tumorais positivas para CD30.

A injeção do ADCETRIS por infusão intravenosa recebeu aprovação da FDA para seis indicações em pacientes adultos com: (1) linfoma anaplásico sistêmico de grandes células (sALCL) ou outros linfomas periféricos de células T expressados em CD30 (PTCL), incluindo o linfoma de células T angioimunoblástico e PTCL não especificado de outra forma, em combinação com ciclofosfamida, doxorrubicina e prednisona, (2) linfoma de Hodgkin clássico (CHL) em estágio III ou IV não tratado anteriormente, em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina, (3) cHL com alto risco de recidiva ou progressão como consolidação do transplante de células-tronco hematopoiéticas pós-autólogas (auto-HSCT), (4) cHL após falha do auto-HSCTou falha de pelo menos dois esquemas quimioterápicos multiagentes anteriores em pacientes que não são candidatos ao auto-HSCT, (5) sALCL após falha de pelo menos um regime anterior de quimioterapia multiagente e (6) linfoma cutâneo primário de células grandes anaplásicas (pcALCL) ou micose fungoide (MF) que expressam CD30 que receberam terapia sistêmica prévia.

A Health Canada concedeu a aprovação ao ADCETRIS com condições para o linfoma de Hodgkin recidivado ou refratário e sALCL em 2013 e aprovação não condicional para o tratamento de consolidação pós-transplante de células-tronco autólogas (ASCT) de pacientes com linfoma de Hodgkin com risco aumentado de recaída ou progressão em 2017, adultos com MF expressando pcALCL ou CD30 que tiveram terapia sistêmica prévia em 2018, para linfoma de Hodgkin em estágio IV não tratado anteriormente em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina em 2019, e para pacientes adultos anteriormente não tratados com sALCL, linfoma periférico de células T não especificado de outro modo (PTCL-NOS) ou linfoma de células T angioimunoblástico (AITL), cujos tumores expressam CD30, em combinação com ciclofosfamida, doxorrubicina, prednisona em 2019.

Em outubro de 2012, o ADCETRIS recebeu autorização condicional de comercialização da Comissão Europeia. As indicações aprovadas na Europa são: (1) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de Hodgkin estágio IV positivo para CD30, anteriormente não tratado, em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina (AVD), (2) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de Hodgkin positivo para CD30 com risco aumentado de recidiva ou progressão após ASCT, (3) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma de Hodgkin positivo para CD30 recidivado ou refratário após ASCT ou após pelo menos duas terapias anteriores quando o ASCT ou a quimioterapia com múltiplos agentes não for uma opção de tratamento, (4) para o tratamento de pacientes adultos com sALCL recidivado ou refratário e (5) para o tratamento de pacientes adultos com linfoma cutâneo de células T positivo para CD30 (CTCL) após pelo menos uma terapia sistêmica anterior.

No Japão, o ADCETRIS recebeu sua primeira aprovação em janeiro de 2014 para linfoma de Hodgkin e ALCL recidivado ou refratário e linfoma de Hodgkin não tratado em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina em setembro de 2018 e linfomas periféricos de células T em dezembro de 2019. Em dezembro de 2019, o ADCETRIS obteve dosagem e administração adicionais para o tratamento de linfoma de Hodgkin recidivado ou refratário e linfomas de células T periféricos em pediatria. A redação atual da indicação aprovada no folheto informativo do Japão é para o tratamento de pacientes com CD30 positivo: linfoma de Hodgkin e linfomas de células T periféricos.

O ADCETRIS recebeu a autorização de comercialização por autoridades regulatórias em mais de 70 países/regiões para o linfoma de Hodgkin e sALCL reincidentes ou refratários. Ver informações importantes de segurança abaixo.

O ADCETRIS está sendo amplamente avaliado em mais de 70 estudos clínicos, incluindo um estudo de primeira linha da fase 3 em linfoma de Hodgkin (ECHELON-1) e outro estudo de primeira linha da fase 3 dos linfomas periféricos de células-T positivos para CD30 (ECHELON-2), assim como estudos em muitos tipos adicionais de malignidades com CD30-positivo.

A Seattle Genetics e a Takeda estão desenvolvendo conjuntamente o ADCETRIS. Sob os termos do acordo de colaboração, a Seattle Genetics tem direitos de comercialização nos EUA e Canadá e a Takeda tem direitos de comercializar o ADCETRIS no resto do mundo. A Seattle Genetics e a Takeda estão financiando conjuntamente custos de desenvolvimento para ADCETRIS em uma base 50:50, exceto no Japão onde a Takeda é unicamente responsável pelos custos de desenvolvimento.

Informações de segurança importantes (União Europeia) do ADCETRIS (brentuximabe vedotina)

Consultar o Resumo de características do produto (SmPC), antes da prescrição do medicamento.

CONTRAINDICAÇÕES

O ADCETRIS é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade à brentuximabe vedotina e seus excipientes. Além disso, o uso combinado do ADCETRIS com bleomicina pode causar toxicidade pulmonar.

ADVERTÊNCIAS & PRECAUÇÕES ESPECIAIS

Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva (PML): a reativação do vírus John Cunningham (JCV), que resulta em leucoencefalopatia multifocal progressiva (PML) e morte, pode ocorrer em pacientes tratados com o ADCETRIS. PML foi relatada em pacientes que receberam o ADCETRIS, após passarem por vários regimes quimioterápicos anteriores. PML é uma doença desmielinizante rara do sistema nervoso central, que resulta da reativação do JCV latente, e frequentemente é fatal.

Monitorar os pacientes de perto com relação a novos ou piora de sinais ou sintomas neurológicos, cognitivos e comportamentais, que podem sugerir PML. A avaliação sugerida da PML inclui consulta de neurologia, ressonância magnética do cérebro reforçada com gadolínio e análise de líquido cefalorraquidiano para DNA do JCV por reação em cadeia de polimerase ou biópsia do cérebro com evidência de JCV. Uma reação em cadeia da polimerase (PCR) negativa do JCV não exclui a PML. Acompanhamento e avaliação adicionais podem ser justificados, se nenhum diagnóstico alternativo puder ser estabelecido. Suspender a dose para qualquer caso suspeito de PML e interromper permanentemente o uso do ADCETRIS, se o diagnóstico de PML for confirmado.

Ficar atento aos sintomas de PML que o paciente pode não notar (por exemplo, sintomas cognitivos, neurológicos ou psiquiátricos).

Pancreatite: pancreatite aguda foi observada em pacientes tratados com ADCETRIS. Resultados fatais foram relatados. Os pacientes devem ser monitorados de perto quanto a piora ou novas das dores abdominais, que podem sugerir pancreatite aguda. A avaliação do paciente pode incluir exame físico, avaliação em laboratório para amilase e lipase sérica, assim como exame de imagem do abdome, como ultrassonografia e outras medidas de diagnóstico apropriadas. Suspender o uso do ADCETRIS para qualquer caso suspeito de pancreatite aguda. O ADCETRIS deve ser descontinuado, se o diagnóstico de pancreatite aguda for confirmado.

Toxicidade pulmonar: casos de toxicidade pulmonar, alguns com resultados fatais, incluindo pneumonite, doença pulmonar intersticial e síndrome do desconforto respiratório agudo (ARDS, SDRA), foram relatados em pacientes que receberam o ADCETRIS. Embora não tenha sido estabelecida uma associação causal com o ADCETRIS, o risco de toxicidade pulmonar não pode ser descartado. Avaliar e tratar prontamente e de forma apropriada os sintomas pulmonares novos e piora (por exemplo, tosse, dispneia). Considerar interromper a dosagem durante a avaliação e até a melhora sintomática.

Infecções graves e infecções oportunistas: infecções graves, como pneumonia, bacteremia estafilocócica, sepsia/choque séptico (incluindo resultados fatais), herpes-zoster, citomegalovírus (CMV) (reativação) e infecções oportunistas, como pneumonia por Pneumocystis jiroveci e candidíase oral, foram relatadas em pacientes tratados com o ADCETRIS. Os pacientes devem ser monitorados com cuidado durante o tratamento de emergência para possíveis infecções graves e oportunistas.

Reações relacionadas à infusão (IRR, RRI): IRR imediatas e retardatárias, assim como anafilaxia, foram relatadas com o uso do ADCETRIS. Os pacientes devem ser monitorados com cuidado durante e após uma infusão. Se ocorrer anafilaxia, a administração do ADCETRIS deve ser suspensa de modo permanente e imediato e a terapia médica apropriada deve ser administrada. Se ocorrer IRR, interromper a infusão e administrar a terapia médica apropriada. A infusão pode ser reiniciada em uma taxa mais lenta, após a eliminação do sintoma. Pacientes que experimentaram IRR prévia devem ser medicados previamente para infusões subsequentes. As IRR são mais frequentes e graves em pacientes com anticorpos para o ADCETRIS.

Síndrome da lise tumoral (TLS): TLS foi relatada com o uso do ADCETRIS. Pacientes com tumor que prolifera rapidamente e com alta carga de tumor correm o risco de sofrer TLS. Monitorar estes pacientes de perto e supervisione segundo as melhores práticas médicas.

Neuropatia periférica (NP): o tratamento com ADCETRIS pode causar NP sensorial e motora. NP induzida por ADCETRIS geralmente é um efeito cumulativo ao ADCETRIS e é reversível, na maioria dos casos. Monitorar os pacientes de perto para ver se há sintomas de neuropatia, como hipoestesia, hiperestesia, parestesia, desconforto, sensação de queimação, dor neuropática ou fraqueza. Pacientes que apresentem nova ou piora da PN podem necessitar de um adiamento e uma redução ou descontinuação da dose do ADCETRIS.

Toxicidades hematológicas: anemia de grau 3 ou 4, trombocitopenia e neutropenia prolongada (igual a ou maior que uma semana) de grau 3 ou 4 podem ocorrer com o ADCETRIS. Monitorar contagens completas de sangue, antes da administração de cada dose.

Neutropenia febril: neutropenia febril tem sido relatada com ADCETRIS. Deve-se monitorar contagens completas de sangue, antes da administração de cada dose do tratamento. Os pacientes devem ser monitorados de perto quanto à febre e tratados de acordo com as melhores práticas médicas, se a neutropenia febril se desenvolver.

Quando o ADCETRIS for administrado em associação com AVD, recomenda-se a profilaxia primária com G-CSF em todos os pacientes, começando com a primeira dose.

Síndrome de Stevens-Johnson (SSJ): SSJ e necrólise epidérmica tóxica (TEN, NET) foram relatadas com o uso do ADCETRIS. Resultados fatais foram relatados. Se ocorrer a SSJ ou a TEN, o tratamento com ADCETRIS deve ser suspenso e a terapia médica apropriada deve ser administrada.

Complicações gastrointestinais (GI): complicações GI, algumas com resultados fatais, incluindo obstrução intestinal, nó no intestino, enterocolite, colite neutropênica, erosão, úlcera, perfuração e hemorragia, foram relatadas com o ADCETRIS. Deve-se avaliar e tratar os pacientes prontamente, se houver novos ou piora dos sintomas de GI.

Toxicidade hepática: elevações nos níveis de alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST) foram relatadas com ADCETRIS. Casos graves de toxicidade hepática, incluindo resultados fatais, também ocorreram. Doença hepática pré-existente, comorbidades e medicações concomitantes também podem aumentar o risco. Testar a função hepática antes do início do tratamento e monitorar rotineiramente durante o tratamento. Pacientes que apresentam toxicidade hepática podem necessitar um adiamento, modificação ou suspensão da dose do ADCETRIS

Hiperglicemia: hiperglicemia foi relatada durante estudos em pacientes com um elevado índice de massa corporal (IMC), com ou sem um histórico de diabete mellitus. Monitorar de perto a presença de glicose sérica em pacientes que apresentam casos de hiperglicemia. Administrar o tratamento contra diabetes, conforme apropriado.

Insuficiência renal e hepática: existe uma experiência limitada em pacientes com insuficiência renal ou hepática. Os dados disponíveis indicam que a eliminação de MMAE pode ser afetada por insuficiência renal grave, insuficiência hepática e por baixas concentrações de albumina sérica.

CTCL CD30+: a extensão do efeito do tratamento em subtipos de linfoma cutâneo de células T CD30+ (CTCL CD30+), além da micose fungoide (MF) e linfoma cutâneo primário de grandes células T anaplásicas (pcALCL), não é clara devido à falta de evidência de alto nível. Em dois estudos de fase II de braço único do ADCETRIS, a atividade da doença foi mostrada nos subtipos de síndrome de Sézary (SS), papulose linfomatoide (PL) e histologia CTCL mista. Estes dados sugerem que a eficácia e a segurança podem ser extrapoladas para outros subtipos de CTCL CD30+. Considerar cuidadosamente o benefício-risco por paciente e tenha cuidado em outros tipos de pacientes com CTCL CD30+.

Conteúdo de sódio em excipientes: este medicamento contém 13,2 mg de sódio por frasco, equivalente a 0,7% da dose diária máxima recomendada pela OMS de 2 g de sódio para um adulto.

INTERAÇÕES

Pacientes que estão recebendo um forte inibidor de CYP3A4 e P-gp, concomitantemente com o ADCETRIS, podem sofrer um aumento no risco de neutropenia. Se a neutropenia se desenvolver, consultar as recomendações posológicas para neutropenia (ver secção 4.2 do SmPC ou Resumo de características do produto). A administração conjunta do ADCETRIS com um indutor de CYP3A4 não alterou a exposição de plasma ao ADCETRIS, mas pareceu reduzir as concentrações de plasma de metabólitos de MMAE que puderam ser testados. Não é esperado que o ADCETRIS altere a exposição a medicamentos que são metabolizados por enzimas CYP3A4.

GRAVIDEZ: aconselhar mulheres em idade fértil quanto ao uso de dois métodos contraceptivos eficazes durante o tratamento com o ADCETRIS e até 6 meses após o tratamento. Não há dados de uso do ADCETRIS em mulheres grávidas, embora estudos em animais tenham indicado toxicidade reprodutiva. O ADCETRIS não deve ser utilizado durante a gravidez, a menos que o benefício para a mãe supere os riscos potenciais ao feto.

LACTAÇÃO (amamentação): não há dados quanto ao ADCETRIS ou seus metabolitos serem expelidos no leite humano, portanto, um risco ao recém-nascido/lactente não pode ser excluído. Com o risco potencial, uma decisão deve ser tomada quanto a interromper a amamentação ou descontinuar/abster de terapia com ADCETRIS.

FERTILIDADE: em estudos não clínicos, o tratamento com o ADCETRIS resultou em toxicidade testicular, podendo alterar a fertilidade masculina. Aconselhar os homens em tratamento com ADCETRIS a não terem filhos durante o tratamento e por até 6 meses após a última dose.

Efeitos na capacidade de dirigir e utilizar máquinas: o ADCETRIS pode ter uma influência moderada na capacidade de dirigir e utilizar máquinas.

EFEITOS INDESEJADOS

Monoterapia: as reações adversas mais frequentes (≥10%) foram infecções, neuropatia sensorial periférica, náusea, fadiga, diarreia, pirexia, infecção do trato respiratório superior, neutropenia, erupção cutânea, tosse, vômitos, artralgia, neuropatia motora periférica, reações relacionadas à infusão, pruridos, constipação, dispneia, perda de peso, mialgia e dor abdominal. Reações adversas graves relacionadas ao medicamento ocorreram em 12% dos pacientes. A frequência de reações adversas graves exclusivas do medicamento foi ≤1%. Eventos adversos levaram à descontinuação do tratamento em 24% dos pacientes.

Terapia combinada: no estudo de ADCETRIS como terapia combinada com AVD em 662 doentes com linfoma de Hodgkin avançado não tratado anteriormente, as reações adversas mais frequentes (≥ 10%) foram: neutropenia, náusea, constipação, vômitos, fadiga, neuropatia sensorial periférica, diarreia, pirexia, alopecia, neuropatia motora periférica, perda de peso, dor abdominal, anemia, estomatite, neutropenia febril, dor óssea, insônia, diminuição do apetite, tosse, dor de cabeça, artralgia, dor nas costas, dispneia, mialgia, infecção do trato respiratório superior e aumento de alanina aminotransferase. Reações adversas graves ocorreram em 36% dos pacientes. As reações adversas graves que ocorreram em ≥ 3% dos doentes incluíram neutropenia febril (17%), pirexia (6%) e neutropenia (3%). Eventos adversos levaram à descontinuação do tratamento em 13% dos pacientes.

Informações de segurança importantes dos EUA sobre o ADCETRIS® (brentuximabe vedotina)

AVISO DA EMBALAGEM

LEUCOENCEFALOPATIA MULTIFOCAL PROGRESSIVA (PML, LMP): infecção por vírus JC resultando em PML e morte pode ocorrer em pacientes tratados com o ADCETRIS.

Contraindicação

Uso concomitante do ADCETRIS com a bleomicina devido à toxicidade pulmonar (por exemplo, infiltração intersticial e/ou inflamação).

Avisos e precauções

  • Neuropatia periférica (NP): o ADCETRIS causa NP, que é predominantemente sensorial. Casos de NP motora também foram relatados. A NP causada por ADCETRIS é cumulativa. NP induzida por ADCETRIS é cumulativa. Monitorare para ver se há sintomas, como hipoestesia, hiperestesia, parestesia, desconforto, sensação de queimação, dor neuropática ou fraqueza. Estabelecerça modificações da dose de acordomodo correspondente.
  • Reações de infusão e anafilaxia: reações relacionadas à infusão (RRI), incluindo anafilaxia, ocorreram com o uso do ADCETRIS. Monitorar os pacientes durante a infusão. Se ocorrer RRI, interromper a infusão e estabelecer a supervisão médica apropriada. Se ocorrer anafilaxia, suspender, de modo permanente e imediato, a infusão e administrar a terapia médica apropriada. Medicar previamente pacientes com RRI anteriores, antes das infusões subsequentes. A medicação prévia pode incluir acetaminofeno, um anti-histamínico e um corticosteroide.
  • Toxicidades hematológicas: foram relatados casos de neutropenia febril fatal ou grave com o ADCETRIS. Neutropenia prolongada (≥ 1 semana) grave e trombocitopenia ou anemia de grau 3 ou 4 podem ocorrer com o ADCETRIS. Administrar profilaxia primária com G-CSF, começando com o Ciclo 1 para pacientes que recebam ADCETRIS em combinação com quimioterapia para cHL (linfoma de Hodgkin clássico) de fase III/IV ou PTCL (linfoma periférico de células T) não tratados anteriormente. Monitorar contagens completas de sangue, antes de cada dose do ADCETRIS. Monitorar com maior frequência pacientes com neutropenia de grau 3 ou 4. Monitorar pacientes para ver se há febre. Se a neutropenia de grau 3 ou 4 se desenvolver, considerar adiar, reduzir ou descontinuar as doses, ou profilaxia G-CSF com doses subsequentes.
  • Infecções graves e infecções oportunistas: infecções, como pneumonia, bacteremia e sepse ou choque séptico (incluindo resultados fatais), foram relatadas em pacientes tratados com o ADCETRIS. Monitorar de perto os pacientes durante o tratamento para ver se há infecções por bactérias, fungos ou vírus.
  • Síndrome da lise tumoral: monitorar de perto pacientes com proliferação rápida do tumor e alta carga de tumor.
  • Aumento de toxicidade na presença de insuficiência renal grave: a frequência de reações adversas de grau ≥ 3 e mortes foi maior em pacientes com insuficiência renal grave em comparação com pacientes com função renal normal. Evitar o uso em pacientes com insuficiência renal grave.
  • Aumento de toxicidade na presença de insuficiência hepática moderada ou grave: a frequência de reações de adversas de grau ≥ 3 e mortes foi maior em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave, quando comparados com pacientes com função hepática normal. Evitar o uso em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave.
  • Toxicidade hepática: casos graves e fatais ocorreram em pacientes tratados com o ADCETRIS. Os casos foram consistentes com lesão hepatocelular, incluindo elevações de transaminases e/ou bilirrubina, e ocorreram após a primeira dose de ADCETRIS ou reexposição. Doença hepática pré-existente, altos níveis de enzimas de linha de base no fígado e medicações concomitantes podem aumentar o risco. Monitorar as enzimas e a bilirrubina no fígado. Pacientes com nova, piora ou recorrência de toxicidade hepática podem necessitar de um adiamento, mudança na dose ou descontinuação do ADCETRIS.
  • Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP): casos fatais de infecção pelo vírus JC resultando em LMP foram relatados em pacientes tratados com ADCETRIS. O início dos primeiros sintomas ocorreu em vários momentos desde o começo da terapia com o ADCETRIS, com alguns casos ocorrendo dentro de 3 meses após a exposição inicial. Além da terapia do ADCETRIS, outros possíveis fatores contribuintes incluem terapias anteriores e doença subjacente, que podem causar supressão imunológica. Considerar o diagnóstico da LMP em pacientes com sinais e sintomas de novo início de anomalias do sistema nervoso central. Suspender o uso do ADCETRIS, se houver suspeita de LMP, e descontinuar o ADCETRIS, se a LMP for confirmada.
  • Toxicidade pulmonar: eventos não infecciosos graves e fatais de toxicidade pulmonar, incluindo pneumonite, doença intersticial dos pulmões e síndrome do desconforto respiratório agudo, foram relatados. Monitorar os pacientes para ver se há sinais e sintomas, incluindo tosse e dispneia. No caso de novos ou piora dos sintomas pulmonares, suspender a dosagem do ADCETRIS durante a avaliação e até a melhoria dos sintomas.
  • Reações dermatológicas graves: casos graves e fatais de síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) e necrólise epidérmica tóxica (NET) foram relatados com o ADCETRIS. Se ocorrer SSJ ou NET, suspender o ADCETRIS e administrar a terapia médica apropriada.
  • Complicações gastrointestinais (GI): casos graves e fatais de pancreatite aguda foram relatados. Outras complicações gastrointestinais graves e fatais incluem perfuração, hemorragia, erosão, úlcera, obstrução intestinal, enterocolite, colite neutropênica e nó no intestino. O linfoma com o envolvimento de GI preexistente pode aumentar o risco de perfuração. No caso de novos ou piora dos sintomas de GI, incluindo dor abdominal grave, realizar uma avaliação de diagnóstico imediata e trate adequadamente.
  • Hiperglicemia: casos graves, como hiperglicemia de início recente, exacerbação de diabetes mellitus preexistente e cetoacidose (incluindo resultados fatais), foram relatados com o ADCETRIS. A hiperglicemia ocorreu com mais frequência em pacientes com alto índice de massa corporal ou diabetes. Monitorar a glicose sérica e, se houver hiperglicemia, administrar medicamentos anti-hiperglicêmicos, conforme indicado clinicamente.
  • Toxicidade embrionária e fetal: com base no mecanismo de ação e de estudos em animais, o ADCETRIS pode causar danos em fetos. Mulheres em idade fértil devem ser aconselhadas quanto ao risco potencial para o feto e a evitar a gravidez durante o tratamento com ADCETRIS e por pelo menos 6 meses após a dose final do ADCETRIS.

Reações adversas mais comuns (≥20% em qualquer estudo): Neuropatia periférica, fadiga, náusea, diarreia, neutropenia, infecção do trato respiratório superior, pirexia, constipação, vômitos, alopecia, perda de peso, dor abdominal, anemia, estomatite, linfopenia e mucosite.

Interações medicamentosas

O uso concomitante de fortes inibidores ou indutores de CYP3A4 tem o potencial de afetar a exposição ao monometil auristatina E (MMAE)

Uso em populações específicas

Insuficiência hepática moderada ou grave ou insuficiência renal grave: aumento da exposição ao MMAE e de reações adversas. Evitar o uso.

Aconselhar homens com parceiras sexuais mulheres em idade fértil quanto ao uso de anticoncepcionais eficazes durante o tratamento com o ADCETRIS e por pelo menos 6 meses após a dose final do ADCETRIS.

Aconselhar os pacientes a relatarem imediatamente casos de gravidez e evitarem a amamentação durante o tratamento com ADCETRIS.

Consultar todas as informações de prescrição para o ADCETRIS, incluindo o AVISO DA EMBALAGEM, aqui

Sobre o ALUNBRIG® (brigatinibe)

ALUNBRIG é um inibidor de tirosina-quinase (TKI) de próxima geração potente e seletivo que foi concebido para ter como alvo e alterações genéticas do linfoma quinase anaplásico (ALK).

Atualmente, o ALUNBRIG é aprovado em mais de 40 países, inclusive nos EUA, no Canadá e na União Europeia, para o tratamento de pessoas que vivem com CPNPC metastático com ALK+ e que tomaram o medicamento crizotinibe, nas tiveram piora do CPNPC ou são intolerantes ao tratamento com crizotinibe. O ALUNBRIG também foi aprovado na UE como monoterapia para o tratamento de pacientes adultos com NSCLC ALK+ avançado, anteriormente não tratado com um inibidor da ALK.

O ALUNBRIG recebeu a designação de terapia inovadora da FDA para o tratamento de pacientes com CPNPC ALK+, cujos tumores são resistentes ao crizotinibe, e a designação de medicamento órfão, também da FDA, para o tratamento do CPNPC ALK+, CPNPC ROS1+ e CPNPC EGFR+.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA (Global)

CONTRAINDICAÇÕES

A hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes de ALUNBRIG é contraindicada

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES ESPECIAIS EM RELAÇÃO AO USO

Reações pulmonares adversas: reações pulmonares adversas fatais e graves com ameaça à vida, incluindo aquelas consistentes com doença pulmonar intersticial (DPI)/pneumonite ocorreram com o ALUNBRIG. A maioria das reações pulmonares adversas foi observada nos primeiros 7 dias de tratamento. As reações pulmonares adversas de grau 1 e 2 foram solucionadas com a interrupção do tratamento ou modificação da dose. O aumento da idade e o intervalo mais curto (menos de 7 dias) entre a última dose de crizotinibe e a primeira dose de ALUNBRIG foram associados independentemente, com um aumento da taxa dessas reações adversas pulmonares. Considerar estes fatores ao iniciar o tratamento com ALUNBRIG. Alguns pacientes apresentaram pneumonite posteriormente no tratamento com ALUNBRIG. Os pacientes devem ser monitorados quanto a novos ou piora dos sintomas respiratórios (por exemplo, dispneia, tosse etc.), particularmente na primeira semana de tratamento. Evidências de pneumonite em qualquer paciente com piora dos sintomas respiratórios devem ser prontamente investigadas. Se houver suspeita de pneumonite, a dose de ALUNBRIG deverá ser suspensa e o paciente avaliado em relação a outros sintomas (por ex., embolia pulmonar, progressão do tumor e pneumonia infecciosa).

Hipertensão foi relatada com o uso do ALUNBRIG. Monitorar a pressão arterial regularmente durante o tratamento com o ALUNBRIG. A hipertensão deve ser tratada de acordo com as diretrizes padrão para o controle da pressão arterial. Monitorar a frequência cardíaca com um maior número de vezes nos pacientes, se o uso concomitante de um medicamento que causa bradicardia não puder ser evitado. Para hipertensão grave (≥ grau 3), o ALUNBRIG deverá ser suspenso, até que a hipertensão volte ao grau 1 ou para a linha de base. A dose deve ser modificada de acordo.

Bradicardia foi relatada com o uso do ALUNBRIG. Deve-se tomar cuidado ao administrar o ALUNBRIG em combinação com outros agentes conhecidos por causar bradicardia. Monitorar a frequência cardíaca e a pressão arterial regularmente. O tratamento com ALUNBRIG deve ser suspenso se ocorrer bradicardia sintomática, e medicamentos concomitantes conhecidos por causar bradicardia devem ser avaliados. Se uma medicação concomitante conhecida por causar bradicardia foi identificada e descontinuada, ou ajustado à dose, retomar o ALUNBRIG na mesma dose após a resolução da bradicardia sintomática; caso contrário, reduzir a dose de ALUNBRIG após a resolução da bradicardia sintomática. Em caso de bradicardia com risco de vida, interromper permanentemente o ALUNBRIG, se nenhuma medicação concomitante contribuinte for identificada ou em caso de recorrência.

Distúrbio visual foi relatado com o uso do ALUNBRIG. Aconselhar os pacientes a informarem sobre quaisquer sintomas visuais. Suspender o uso do ALUNBRIG e pedir uma avaliação oftalmológica em pacientes com novos ou piora dos sintomas visuais.

Elevação da creatinofosfoquinase (CPK) foi relatada com o uso do ALUNBRIG. Aconselhar os pacientes a informarem sobre qualquer dor, sensibilidade ou fraqueza muscular sem explicação. Monitorar regularmente os níveis da CPK durante o tratamento. Suspender o uso do ALUNBRIG para elevação de CPK de grau 3 ou 4. Com base na gravidade da elevação de CPK, e se associada com dor ou fraqueza muscular, suspender o tratamento com o brigatinibe e modificar a dosagem de acordo.

Elevação das enzimas pancreáticas: elevações da amilase e lipase ocorreram com o uso do ALUNBRIG. A lipase e a amilase devem ser monitoradas regularmente. Suspenda o uso do ALUNBRIG para elevação das enzimas pancreáticas de grau 3 ou 4. Com base na gravidade das anormalidades laboratoriais, suspensa o tratamento com o brigatinibe e modifique a dosagem de acordo.

Hiperglicemia: elevações da glicose sérica ocorreram em pacientes tratados com ALUNBRIG. A glicose sérica em jejum deve ser avaliada antes do início do ALUNBRIG e monitorada periodicamente posteriormente. Medicamentos anti-hiperglicemiantes devem ser iniciados ou otimizados, conforme necessário. Se o controle hiperglicêmico adequado não puder ser conseguido com o tratamento médico ideal, suspender o ALUNBRIG até que o controle hiperglicêmico adequado seja alcançado. Na recuperação, considerar reduzir a dosagem ou descontinuar permanentemente o ALUNBRIG.

Toxicidade embriofetal: com base no seu mecanismo de ação e descobertas em animais, o ALUNBRIG pode causar lesão fetal quando administrado em mulheres grávidas. Não há dados clínicos sobre o uso do ALUNBRIG em mulheres grávidas. Aconselhar as gestantes sobre o risco potencial ao feto. Aconselhar mulheres com capacidade reprodutiva a usar contraceptivos não hormonais eficazes durante o tratamento com o ALUNBRIG e por pelo menos 4 meses após a dose final. Aconselhar homens com parceiras com capacidade reprodutiva a utilizar contraceptivos eficazes durante o tratamento e por pelo menos 3 meses após a última dosagem do ALUNBRIG.

REAÇÕES ADVERSAS

As reações adversas mais comuns (≥ 25%) relatadas em pacientes tratados com ALUNBRIG no regime de dosagem recomendado foram aumento do AST, aumento da CPK, hiperglicemia, lipase aumentada, hiperinsulinemia, anemia, diarreia, aumento da ALT, aumento da amilase, anemia, náusea, fadiga hipofosfatemia, diminuição da contagem de linfócitos, tosse, erupção cutânea, aumento dos fosfatos alcalinos, aumento do TTPA, mialgia, dor de cabeça, hipertensão, diminuição do número de glóbulos brancos, dispneia e vômito.

As reações adversas graves mais comuns (2%) relatadas em pacientes tratados com ALUNBRIG no regime posológico recomendado, exceto eventos relacionados à progressão da neoplasia, incluíram pneumonite, pneumonia e dispneia.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Inibidores do CYP3A: evitar o uso concomitante do ALUNBRIG com inibidores de CYP3A fortes. Se não for possível evitar o uso concomitante de um forte inibidor do CYP3A, reduzir a dose do ALUNBRIG. Após a descontinuação do inibidor forte do CYP3A, retomar a dose de ALUNBRIG tolerada antes do início do inibidor forte do CYP3A. Não é necessário ajustar a dosagem para o ALUNBRIG em combinação com inibidores moderados do CYP3A. Monitorar de perto os pacientes ao administrar o ALUNBRIG com inibidores moderados do CYP3A. Evitar suco de toranja ou a toranja em fruta, já que isso também pode aumentar as concentrações de plasma do ALUNBRIG. O uso concomitante de ALUNBRIG com inibidores moderados do CYP3A deve ser evitado. Se não for possível evitar o uso concomitante de inibidores moderados do CYP3A, reduzir a dose de ALUNBRIG. Após a descontinuação de um inibidor moderado do CYP3A, retomar o ALUNBRIG na dose tolerada antes do início do inibidor moderado do CYP3A.

Inibidores do CYP2C8: não é necessário ajuste da dose do ALUNBRIG quando administrado concomitantemente com inibidores fortes do CYP2C8

Inibidores de P-gp e BCRP: não é necessário ajuste da dose para o ALUNBRIG coadministrado com inibidores de P-gp e BCRP.

Indutores do CYP3A: evitar o uso concomitante do ALUNBRIG com indutores de CYP3A fortes ou moderados. Se não for possível evitar o uso concomitante de indutores moderados do CYP3A, a dose de ALUNBRIG poderá ser aumentada em incrementos de 30 mg após 7 dias de tratamento com a dose atual tolerada, até um máximo de duas vezes a dose tolerada antes do início do indutor moderado do CYP3A. Após a descontinuação de um indutor moderado de CYP3A, retomar a dose de ALUNBRIG para a dose tolerada antes do início do indutor moderado de CYP3A.

Substratos do CYP3A: não foram realizados estudos clínicos de interação medicamentosa com substratos sensíveis do CYP3A. O ALUNBRIG pode reduzir as concentrações plasmáticas de coadministrados e induzir outras enzimas e transportadores (por exemplo, CYP2C, P-gp).

Substratos de transportadores: ALUNBRIG inibe P-gp, BCRP, OCT1, MATE1 e MATE2K in vitro. A coadministração de Substratos de transportadores do ALUNBRIG pode aumentar as concentrações plasmáticas. Monitorar os pacientes de perto ao coadministrar o ALUNBRIG com substratos destes transportadores com um índice terapêutico estreito (por exemplo, digoxina, dabigatran, metotrexato).

USO EM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS

Mulheres com potencial para engravidar/contracepção em homens e mulheres: aconselhar as mulheres em idade fértil a não engravidar e aconselhar os homens a não ter filhos durante o tratamento com ALUNBRIG. Aconselhar as mulheres com potencial reprodutivo a usar um método contraceptivo não hormonal eficaz durante o tratamento com o ALUNBRIG e por pelo menos 4 meses após a dose final. Aconselhar os homens com parceiras do sexo feminino com potencial reprodutivo a usar métodos contraceptivos eficazes durante o tratamento e por pelo menos 3 meses após a última dose de ALUNBRIG.

Gravidez: ALUNBRIG pode causar dano ao feto. Não há dados clínicos sobre o uso do ALUNBRIG em mulheres grávidas. O ALUNBRIG não deve ser usado durante a gravidez, a menos que a condição clínica da mãe exija tratamento. Se usado durante a gravidez ou se a paciente ficar grávida durante o tratamento com o ALUNBRIG, aconselhar a paciente sobre o risco potencial ao feto.

Amamentação: não há dados referentes à secreção de ALUNBRIG no leite humano. A amamentação deve ser interrompida durante o tratamento com o ALUNBRIG.

Infertilidade: o ALUNBRIG pode causar a diminuição da fertilidade em homens.

Pacientes idosos: os dados limitados sobre a segurança e eficácia do ALUNBRIG em pacientes com idade de 65 anos ou mais sugerem que um ajuste de dosagem não é necessário em pacientes idosos. Não há dados disponíveis sobre pacientes acima de 85 anos.

Insuficiência hepática: nenhum ajuste de dose do ALUNBRIG é necessário para pacientes com insuficiência hepática leve (classe A de Child Pugh) ou insuficiência hepática moderada (classe B de Child Pugh). Reduzir a dose do ALUNBRIG em aproximadamente 50% (isto é, de 180 mg para 90 mg ou de 90 mg para 60 mg) para pacientes com insuficiência renal grave.

Insuficiência renal: nenhum ajuste de dosagem do ALUNBRIG é necessário para pacientes com insuficiência hepática ou renal suave ou moderada (taxa de filtração glomerular estimada (eGFR) ≥ 30 mL/min). A dose de brigatinibe deve ser reduzida em aproximadamente 40% (ou seja, de 180 mg a 120 mg, 120 mg a 90 mg ou de 90 mg a 60 mg) para pacientes com insuficiência hepática grave (classe C de Child-Pugh).

Pacientes pediátricos: a segurança e eficácia do ALUNBRIG em pacientes com idade inferior a 18 anos não foi estabelecida.

Para informações de prescrição nos EUA: https://www.alunbrig.com/assets/pi.pdf

Para resumo das características do medicamento da União Europeia: https://www.ema.europa.eu/en/medicines/human/EPAR/alunbrig

Para a monografia de produtos do Canadá: https://www.takeda.com/siteassets/en-ca/home/what-we-do/our-medicines/product-monographs/alunbrig/alunbrig-pm-en.pdf

Sobre os comprimidos de ICLUSIG® (ponatinibe)

O ICLUSIG é um inibidor da quinase direcionado principalmente para a proteína BCR-ABL1, uma tirosina-quinase anormal que é expressa na leucemia mieloide crônica (CML) e na leucemia linfoblástica aguda positiva para o cromossomo Filadélfia (Ph+ ALL). O ICLUSIG é um medicamento direcionado contra o câncer, desenvolvido com o uso de uma plataforma computacional de design de medicamentos com base em estrutura, idealizada especificamente para inibir a atividade do BCR-ABL1 e suas mutações. O ICLUSIG é direcionado para as mutações BCR-ABL1 nativas, assim como mutações resistentes ao tratamento BCR-ABL1, incluindo a mutação T315I mais resistente. O ICLUSIG é o único TKI aprovado que demonstra atividade contra a mutação de gatekeeper T315I de BCR-ABL1. Esta mutação foi associada à resistência a todos os outros TKIs aprovados. O ICLUSIG recebeu a aprovação total da FDA em novembro de 2016. ICLUSIG é indicado para o tratamento de pacientes adultos com CP em fase acelerada, CML em fase blástica ou Ph+ ALL, para os quais nenhuma outra terapia TKI é indicada, e tratamento de pacientes adultos com CML positiva para T315I (fase crônica, fase acelerada ou fase blástica) ou T315I positivo ph+ ALL. O ICLUSIG não é indicado nem recomendado para o tratamento de pacientes com CML em fase crônica recentemente diagnosticada.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA (EUA)

AVISO: OCLUSÃO ARTERIAL, TROMBOEMBOLISMO VENOSO, INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E TOXICIDADE HEPÁTICA

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

Ver as informações completas prescritas na bula

  • Oclusão arterial ocorreu em pelo menos 35% dos pacientes tratados com ICLUSIG® (ponatinibe), incluindo infarto fatal do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), estenose de grandes vasos arteriais do cérebro, doença vascular periférica grave e necessidade de procedimentos urgentes de revascularização. Pacientes com e sem fatores de risco cardiovascular, incluindo pacientes com menos de 50 anos, experimentaram esses eventos. Interrompa ou pare o uso do ICLUSIG imediatamente havendo oclusão arterial. Uma consideração benefício-risco deve orientar a decisão de reiniciar o ICLUSIG.
  • O tromboembolismo venoso ocorreu em 6% dos pacientes tratados com ICLUSIG. Monitorar quanto à evidência de tromboembolismo. Considerar a modificação da dose ou a descontinuação do ICLUSIG em pacientes que desenvolvem tromboembolismo venoso grave.
  • Insuficiência cardíaca, incluindo fatalidades, ocorreu em 9% dos pacientes tratados com ICLUSIG. Monitorar a função cardíaca. Interromper ou parar com o ICLUSIG se ocorrer nova ou piora da insuficiência cardíaca.
  • Toxicidade hepática, insuficiência hepática e morte ocorreram em pacientes tratados com ICLUSIG. Monitorar a função hepática. Interromper o ICLUSIG se houver suspeita de toxicidade hepática.

Oclusões arteriais: os 35% dos pacientes relatados como tendo eventos arteriais oclusivos (AOEs) no aviso da embalagem incluíram pacientes dos estudos da fase 1 e fase 2. No estudo da fase 2, 33% dos pacientes tratados com ICLUSIG experimentaram um evento oclusivo arterial cardíaco vascular (21%), vascular periférico (12%) ou cerebrovascular (9%). Alguns pacientes experimentaram mais de um tipo de evento. Eventos fatais e de risco à vida ocorreram no lapso de 2 semanas do tratamento inicial, com doses de apenas 15 mg por dia. O ICLUSIG também pode causar oclusão vascular recorrente ou em múltiplos locais. Pacientes necessitaram procedimentos de revascularização. O tempo médio para o início do primeiro AOE variou de 193 a 526 dias. Os fatores de risco mais comuns observados com estes eventos foram hipertensão, hiperlipidemia e histórico de doença cardíaca. Eventos arteriais oclusivos (AOEs) foram mais frequentes com o aumento da idade e em pacientes com um histórico de isquemia, hipertensão, diabete ou hiperlipidemia. Em pacientes com suspeita de desenvolvimento de eventos arteriais oclusivos, interromper ou parar o uso do ICLUSIG.

Tromboembolismo venoso: eventos de tromboembolismo venoso, incluindo trombose venosa profunda, embolia pulmonar, tromboflebite superficial e trombose de veias da retina com perda da visão, ocorreram em 6% dos pacientes com uma taxa de incidência de 5% (13/270 CP-CML), 4% (3/85 AP-CML), 10% (6/62 BP-CML) e 9% (3/32 Ph+ ALL). Considerar a modificação ou suspensão da dosagem do ICLUSIG em pacientes que desenvolverem tromboembolismo venoso grave.

Insuficiência cardíaca: insuficiência cardíaca fatal ou grave ou disfunção do ventrículo esquerdo ocorreram em 6% dos pacientes no estudo de fase 2. Os eventos de insuficiência cardíaca mais frequentes (cada; 3%) foram insuficiência cardíaca congestiva e fração de ejeção diminuída. Monitorar pacientes quanto a sinais ou sintomas consistentes com insuficiência cardíaca e tratar conforme indicado clinicamente, incluindo a interrupção do ICLUSIG. Considerar a suspensão, se desenvolverem insuficiência cardíaca grave.

Toxicidade hepática: eventos de toxicidade hepática foram observados em 29% dos pacientes (11% foram de grau 3 ou 4). Toxicidade hepática grave ocorreu em todos os conjuntos de pessoas da doença. Três pacientes com BP-CML ou Ph+ ALL morreram: um com insuficiência hepática fulminante, dentro de uma semana após o início do ICLUSIG, e dois com insuficiência hepática aguda. As formas mais comuns foram elevações de AST ou ALT (54% em todos os graus, 8% de grau 3 ou 4, 5% não revertidas no último acompanhamento), bilirrubina e fosfatase alcalina. O tempo médio para o início do evento de toxicidade hepática foi de 3 meses. Monitorar a função hepática com testes na linha de base e, posteriormente, pelo menos mensalmente ou conforme indicado clinicamente. Interromper, reduzir ou suspender o ICLUSIG como indicado clinicamente.

Hipertensão: elevação emergente no tratamento da pressão sanguínea (BP) sistólica ou diastólica ocorreu em 68% (306/449), dos quais 12% eram graves e incluíam crise hipertensiva. Os pacientes podem precisar de intervenção clínica urgente para hipertensão associada com confusão, dor de cabeça, dor no peito ou falta de ar. Em pacientes com PA basal <140/90 mm Hg, 80% desenvolveram hipertensão emergente do tratamento (44% Estágio 1 e 37% Estágio 2). Em 132 pacientes com hipertensão de estágio 1 na linha de base, 67% (88/132) desenvolveram hipertensão de estágio 2. Monitorar e supervisionar elevações da pressão sanguínea durante o uso do ICLUSIG e tratar a hipertensão para normalizar a pressão sanguínea. Interromper, reduzir a dosagem ou parar com o ICLUSIG, se a hipertensão não for medicamente controlada. No caso de piora significativa, hipertensão instável ou resistente ao tratamento, interrompar o tratamento e considerar avaliar estenose de artéria renal.

Pancreatite: a pancreatite foi relatada em 7% dos pacientes (6% eram graves ou grau 3/4). Muitos destes casos foram solucionados no lapso de 2 semanas com a interrupção da dose ou redução do ICLUSIG. A incidência de elevação da lipase emergente do tratamento foi de 42% (16%, grau 3 ou superior). Verificar a lipase sérica a cada 2 semanas pelos primeiros 2 meses e depois, mensalmente, ou conforme indicado clinicamente. Considerar a monitoração adicional da lipase sérica em pacientes com um histórico de pancreatite ou abuso de álcool. Interrupção ou redução da dosagem pode ser necessária. Em casos onde as elevações da lipase forem acompanhadas de sintomas abdominais, interromper o tratamento com o ICLUSIG e avaliar pacientes quanto à pancreatite. Não considerar reiniciar o ICLUSIG até que os pacientes tenham a solução completa de sintomas e os níveis de lipase forem <1,5 x ULN.

Aumento da toxicidade em CML de fase crônica recentemente diagnosticada: em um estudo clínico randomizado e prospectivo no tratamento de primeira linha de pacientes recentemente diagnosticados com CML de fase crônica (CP-CML), o ICLUSIG de 45 mg uma vez ao dia aumentou o risco de reações adversas graves em duas vezes quando comparado ao imatinibe de 400 mg uma vez ao dia. A exposição média ao tratamento foi menos de 6 meses. O estudo foi interrompido por questões de segurança em outubro de 2013. Tromboses arterial e venosa, assim como oclusões, ocorreram pelo menos duas vezes com mais frequência no braço do ICLUSIG quando comparado ao braço do imatinibe. Comparado ao imatinibe, os pacientes tratados com ICLUSIG exibiram uma maior incidência de supressão mieloide, pancreatite, toxicidade hepática, insuficiência cardíaca, hipertensão e disfunções dos tecidos da pele e subcutâneo. O ICLUSIG não é indicado nem recomendado para o tratamento de pacientes com CP-CML recentemente diagnosticada.

Neuropatia: no geral, 20% dos pacientes apresentaram um evento de neuropatia periférica de qualquer grau (2% eram grau 3/4). As mais comuns foram parestesia (5%), neuropatia periférica (4%), hipoestesia (3%), disgeusia (2%), fraqueza muscular (2%) e hiperestesia (1%). Neuropatia craniana se desenvolveu em 2% dos pacientes (<1%, grau 3/4). Dos pacientes que desenvolveram a neuropatia, 26% desenvolveram neuropatia durante o primeiro mês de tratamento. Monitorar os pacientes quanto a sintomas de neuropatia, como hipoestesia, hiperestesia, parestesia, desconforto, sensação de queimação, dor neuropática ou fraqueza. Considerar a interrupção do ICLUSIG e avaliar se há suspeita de neuropatia.

Toxicidade ocular: toxicidades oculares graves, que levam à cegueira ou visão embaçada, ocorreram em pacientes. Toxicidades da retina, incluindo edema macular, oclusão das veias da retina e hemorragia da retina, ocorreram em 2% dos pacientes. Irritação da conjuntiva, erosão ou abrasão das córneas, olho seco, conjuntivite, hemorragia da conjuntiva, hiperemia e edema ou dor nos olhos ocorreram em 14% dos pacientes. Visão embaçada ocorreu em 6%. Outras toxicidades oculares incluem catarata, edema periorbital, blefarite, glaucoma, edema das pálpebras, hiperemia ocular, irite, iridociclite e queratite ulcerativa. Realizar exames abrangentes dos olhos na linha de base e periodicamente durante o tratamento.

Hemorragia: hemorragia ocorreu em 28% dos pacientes (6% foram graves, incluindo fatalidades). A incidência de eventos sérios de hemorragia foi mais alta em pacientes com AP-CML ou BP-CML e Ph+ ALL. A hemorragia gastrointestinal e o hematoma subdural foram os eventos graves de hemorragia mais relatados, ocorrendo em 1% cada. Eventos mais hemorrágicos ocorreram em pacientes com trombocitopenia de grau 4. Interromper o ICLUSIG para hemorragia grave ou severa e avaliar.

Retenção de líquidos: a retenção de líquido ocorreu em 31% dos pacientes. Os eventos de retenção de líquido mais comuns foram o edema periférico (17%), derrame pleural (8%), derrame pericárdico (4%) e inchaço periférico (3%). Eventos graves ocorreram em 4%. Uma instância de edema cerebral foi fatal. Eventos graves emergentes do tratamento incluíram: derrame pleural (2%), derrame pericárdico (1%) e edema periférico (<1%). Monitorar os pacientes quanto à retenção de líquidos e supervisionar, conforme indicado clinicamente. Interromper, reduzir ou suspender o ICLUSIG conforme indicado clinicamente.

Arritmias cardíacas: arritmias ocorreram em 19% dos pacientes (7% foram de grau ≥3). Arritmia de origem ventricular foi relatada em 3% de todas as arritmias, com um caso sendo de grau ≥3. Bradiarritmias sintomáticas que levaram à implantação de marcapasso ocorreram em 1% dos pacientes. Fibrilação atrial foi a arritmia mais comum (7%) e aproximadamente metade dos casos foi de grau 3 ou 4. Outros eventos de arritmia de grau 3 ou 4 incluíram síncope (2%), taquicardia e bradicardia (cada um 0,4%) e QT de eletrocardiograma prolongado, palpitação atrial, taquicardia supraventricular, taquicardia ventricular, taquicardia atrial, bloqueio atrioventricular completo, parada cardiorrespiratória, perda de consciência e disfunção do nó sinusal (cada um 0,2%). Para 27 pacientes, o evento levou à hospitalização. Em pacientes com sinais e sintomas sugestivos de frequência cardíaca lenta (desmaio, tontura) ou frequência cardíaca rápida (dor no peito, palpitações ou tontura), interromper o ICLUSIG e avaliar.

Mielossupressão: a mielossupressão foi relatada em 59% dos pacientes (50% foram de grau 3/4). A incidência destes eventos foi maior em pacientes com AP-CML, BP-CML e Ph+ ALL que em pacientes com CP-CML. Mielossupressão grave (grau 3 ou 4) foi observada no início do tratamento, com tempo médio de início de 1 mês (intervalo <1-40 meses). Obter contagens sanguíneas completas a cada 2 semanas pelos primeiros 3 meses e depois mensalmente, ou conforme indicado clinicamente, e ajustar a dosagem segundo recomendado.

Síndrome da lise tumoral: dois pacientes (<1%, um com AP-CML e outro com BP-CML) tratados com ICLUSIG desenvolveram grave síndrome de lise tumoral. A hiperuricemia ocorreu em 7% dos pacientes. Devido ao potencial para síndrome de lise tumoral em pacientes com doença avançada, garantir a hidratação adequada e tratar os altos níveis de ácido úrico antes de iniciar a terapia com ICLUSIG.

Síndrome de Leucoencefalopatia Posterior Reversível (RPLS): casos de pós-investigação de síndrome de leucoencefalopatia posterior reversível (RPLS) foram relatados em pacientes tratados com ICLUSIG. A RPLS é uma disfunção neurológica que pode se apresentar com sinais e sintomas como convulsão, dor de cabeça, diminuição da atenção, função mental alterada, perda de visão e outros distúrbios visuais e neurológicos. A hipertensão está muitas vezes presente e o diagnóstico é feito com descobertas de apoio em imagem de ressonância magnética (MRI) do cérebro. Se a RPLS for diagnosticada, interromper o tratamento com ICLUSIG e reiniciar o tratamento apenas quando o evento for solucionado e se o benefício do tratamento continuado superar o risco de RPLS.

Cicatrização prejudicada de lesão e perfuração gastrointestinal: diminuição da cicatrização de feridas ocorreu em pacientes recebendo o ICLUSIG. Suspender o uso do ICLUSIG por pelo menos uma semana antes de uma cirurgia eletiva. Não administrar por pelo menos 2 semanas após uma cirurgia de grande porte e até a cicatrização adequada da lesão. A segurança da retomada do ICLUSIG após a resolução das complicações na cicatrização de lesões não foi estabelecida. Perfuração ou fístula gastrointestinal ocorreu em pacientes recebendo ICLUSIG. Interromper permanentemente em pacientes com perfuração gastrointestinal. Uma vez que o ICLUSIG pode comprometer a cura de lesões, interromper o ICLUSIG por pelo menos uma semana antes de uma cirurgia principal. Sérias perfurações gastrointestinais (fístula) ocorreram em um paciente 38 dias após a colecistectomia.

Toxicidade embriofetal: com base em seu mecanismo de ação e descobertas de estudos em animais, o ICLUSIG pode causar dano ao feto quando administrado em uma mulher grávida. Em estudos de reprodução animal, a administração oral de ponatinibe em ratas prenhas durante a organogênese causou efeitos adversos de desenvolvimento em exposições menores que em exposições em humanos na dosagem recomendada para seres humanos. Orientar as mulheres grávidas sobre o risco potencial ao feto. Aconselhar as pacientes em período fértil a utilizar anticoncepcionais eficazes durante o tratamento com o ICLUSIG e por 3 semanas após a última dosagem.

REAÇÕES ADVERSAS

Reações adversas mais comuns: as reações adversas não hematológicas mais comuns (≥20%) foram dor abdominal, erupção cutânea, constipação, dor de cabeça, pele seca, oclusão arterial, fadiga, hipertensão, pirexia, artralgia, náusea, diarreia, lipase aumentada, vômitos, mialgia e dor nas extremidades. As reações adversas hematológicas incluíram trombocitopenia, anemia, neutropenia, linfopenia e leucopenia.

Para relatar REAÇÕES ADVERSAS SUSPEITAS, entrar em contato com a Takeda pelo número 1-844-817-6468 ou FDA pelo número 1-800-FDA-1088 ou acessar www.fda.gov/medwatch.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Fortes inibidores de CYP3A: evitar o uso concomitante ou reduzir a dosagem do ICLUSIG, se a coadministração não puder ser evitada.

Fortes indutores de CYP3A: evitar o uso concomitante.

USO EM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS

Homens e mulheres com potencial reprodutivo: o ponatinibe pode prejudicar a fertilidade nas mulheres e não se sabe se esses efeitos são reversíveis. Verificar o status da gravidez de mulheres com potencial reprodutivo antes de iniciar o ICLUSIG.

Lactação: aconselhar mulheres a não amamentar durante o tratamento com ICLUSIG e por seis dias após a última dose.

Para obter mais informações sobre o ICLUSIG, incluindo Informações importantes de segurança com a advertência da embalagem, consultar abaixo ou acessar www.ICLUSIG.com. Para informações sobre a prescrição, acessar https://www.iclusig.com/pdf/ICLUSIG-Prescribing-Information.pdf. Para mais informações sobre pesquisas em andamento, acessar www.clinicaltrials.gov.

Sobre as cápsulas de NINLAROTM (ixazomibe)

O NINLARO™ (ixazomibe) é um inibidor do proteassoma oral que está sendo estudado em todo o processo de configurações de tratamento para mieloma múltiplo. O NINLARO foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA em novembro de 2015 e é indicado em combinação com lenalidomida e dexametasona para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam pelo menos uma terapia anterior. Atualmente, o NINLARO é aprovado em mais de 60 países, incluindo Estados Unidos, Japão e União Europeia, com mais de 10 registros regulatórios atualmente em revisão. Foi o primeiro inibidor do proteassoma oral a entrar nos estudos clínicos de Fase 3 e a receber aprovação.

NINLAROTM (ixazomibe): INFORMAÇÕES GLOBAIS DE SEGURANÇA IMPORTANTES

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES ESPECIAIS

Trombocitopenia foi relatada com o NINLARO (28% versus 14% em regimes de NINLARO e placebo, respectivamente) com nadires de plaquetas geralmente ocorrendo entre os dias 14 e 21 de cada ciclo de 28 dias e recuperação à linha de base no início do próximo ciclo. Não resultou em um aumento de eventos hemorrágicos ou transfusões de plaquetas. Monitorar as contagens de plaquetas pelo menos mensalmente durante o tratamento com o NINLARO e considerar a monitoração mais frequente durante os primeiros três ciclos. Administrar modificações de dosagens e transfusões de plaquetas, conforme as diretrizes médicas padrão.

Toxicidades gastrointestinais foram relatadas em regimes de NINLARO e placebo, respectivamente, como diarreia (42% x 36%), constipação (34% x 25%), náusea (26% x 21%) e vômito (22% x 11%), ocasionalmente exigindo o uso de medicamentos antieméticos e contra diarreia, bem como cuidados auxiliares.

Neuropatia periférica foi relatada com o NINLARO (28% x 21% em regimes de NINLARO e placebo, respectivamente). A reação relatada mais comum foi neuropatia sensorial periférica (19% x 14% em regimes de NINLARO e placebo, respectivamente). Neuropatia motora periférica não foi relatada comumente nos dois regimes (< 1%). Monitorar os pacientes quanto a sintomas de neuropatia periférica e ajustar a dosagem, se necessário.

Edema periférico foi relatado com o NINLARO (25% x 18% em regimes de NINLARO e placebo, respectivamente). Avaliar pacientes quanto às causas subjacentes e prestar cuidados auxiliares, conforme necessário. Ajustar a dosagem de dexametasona, conforme informação prescrita, ou a dosagem de NINLARO para sintomas graves.

Reações cutâneas ocorreram em 19% dos pacientes no regime de NINLARO comparado aos 11% dos pacientes no regime de placebo. O tipo mais comum de erupção relatado em ambos os regimes foi erupção maculopapular e macular. Controle a erupção com cuidados auxiliares, modificação ou interrupção da dosagem.

Microangiopatia trombótica, algumas vezes fatal, incluindo púrpura trombocitopênica trombótica/síndrome hemolítico-urêmica (TTP/HUS), foram relatadas em pacientes que receberam o NINLARO. Monitorar os sinais e sintomas de TPP/HUS e interromper o NINLARO se houver suspeita de diagnóstico. Se o diagnóstico de TPP/HUS for excluído, considerar reiniciar o NINLARO. A segurança de reiniciar a terapia com NINLARO em pacientes previamente com TPP/HUS não é conhecida.

Toxicidade hepática, doença do fígado induzida por medicamento, enfermidade hepatocelular, esteatose hepática e hepatite colestática foram relatadas de modo incomum com o NINLARO. Monitorar as enzimas hepáticas regularmente e ajustar a dosagem para sintomas de grau 3 ou 4.

Gravidez - O NINLARO pode causar danos ao feto. Aconselhar pacientes de ambos os sexos com potencial reprodutivo a utilizar medidas anticonceptivas durante o tratamento e por mais 90 dias após a dosagem final do NINLARO. Mulheres em idade fértil devem evitar a gravidez enquanto tomam o NINLARO, devido ao risco potencial ao feto. Mulheres que utilizam anticoncepcionais hormonais devem fazer uso de um método adicional de barreira anticonceptiva.

Lactação - Não é conhecido se o NINLARO ou seus metabólitos são expelidos no leite materno. Podem ocorrer eventos adversos potenciais em lactentes e, portanto, a amamentação deve ser interrompida.

USO EM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS

Insuficiência Hepática: reduzir a dosagem inicial do NINLARO a 3 mg em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave.

Insuficiência renal: reduzir a dosagem inicial do NINLARO a 3 mg em pacientes com insuficiência renal grave ou doença renal em estágio final (ESRD), que exige diálise. O NINLARO não é dializável e, portanto, pode ser administrado sem consideração ao tempo de diálise.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

A coadministração de fortes indutores de CYP3A com NINLARO não é recomendada.

REAÇÕES ADVERSAS

As reações adversas relatadas com mais frequência (≥ 20%) no regime de NINLARO, e maiores do que no regime de placebo, foram diarreia (42% x 36%), constipação (34% x 25%), trombocitopenia (28% x 14%), neuropatia periférica (28% x 21%), náusea (26% x 21%), edema periférico (25% x 18%), vômito (22% x 11%) e dor lombar (21% x 16%). Reações adversas graves relatadas em ≥ 2% dos pacientes incluíram trombocitopenia (2%) e diarreia (2%). Para cada reação adversa, um ou mais dos três medicamentos foram interrompidos em menos de 1% dos pacientes no regime de NINLARO.

Para um resumo das características do produto para a União Europeia: http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/EPAR_-_Product_Information/human/003844/WC500217620.pdf

Para informações sobre prescrição nos EUA: https://www.ninlarohcp.com/pdf/prescribing-information.pdf

Para a monografia de produtos do Canadá: http://www.takedacanada.com/ninlaropm

Sobre o Mobocertinib (TAK-788)

O mobocertinibe é um TKI potente de molécula pequena, concebido especificamente para atingir seletivamente as mutações de inserção no exon 20 do EGFR e HER2. O Food and Drug Administration (FDA) dos EUA concedeu a designação de Terapia inovadora ao mobocertinibe em 2020 para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão metastático de células não pequenas (NSCLC) com mutações de inserção no exon 20 do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR), cuja doença progrediu em ou após quimioterapia à base de platina. O mobocertinibe também recebeu a designação de medicamento órfão da FDA dos EUA em 2019 para o tratamento de câncer de pulmão com mutações HER2 ou EGFR, incluindo mutações de inserção no exon 20.

Os resultados do estudo de fase 1/2 em andamento do mobocertinibe, que avalia a eficácia e a segurança do mobocertinibe em 160 mg uma vez ao dia em pacientes previamente tratados com inserções no exon 20 do EGFR, mostraram que o mobocertinibe produziu uma sobrevida média livre de progressão (PFS) de 7,3 meses e uma taxa de resposta global confirmada (ORR) de 43% (n = 12/28) em pacientes com NSCLC mutante de inserção no exon 20 do EGFR localmente avançado ou metastático. O perfil de segurança do mobocertinibe foi administrável (N = 72). Os eventos adversos relacionados ao tratamento (AEs) mais comuns foram diarreia (85%), náusea (43%) erupção cutânea (36%), vômitos (29%) e diminuição do apetite (25%). Estes resultados foram apresentados no Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) de 2019.

O programa de desenvolvimento do Mobocertinibe começou na população com NSCLC e se espera que se expanda a outras populações não atendidas em outros tipos de tumor. O Mobocertinibe é um medicamento experimental, cuja eficácia e segurança não foram estabelecidas.

Sobre o Pevonedistat

O pevonedistat é o primeiro e único inibidor de moléculas pequenas da enzima ativadora de NEDD8 (NAE) e está sendo estudado como tratamento de primeira linha para pacientes com HR-MDS, HR-CMML e AML (Leucemia mielogênica aguda) de baixo nível de células blásticas. Ao selecionar seletivamente o NAE, o pevonedistat demonstrou perturbar o sistema proteassoma-ubiquitina, que tem como alvo proteínas para degradação e levam à morte de células cancerígenas.

O pevonedistat está sendo avaliado em vários estudos clínicos, incluindo:

  • PANTHER (NCT03268954)
    • Este estudo clínico de Fase 3 global, randomizado, controlado, aberto e multicêntrico foi desenvolvido para avaliar a segurança e a eficácia do pevonedistat em combinação com azacitidina versus azacitidina de agente único em participantes com MDS ou CMML de alto risco ou AML com contagem baixa de células blásticas, que não receberam terapias anteriores. Aproximadamente 450 participantes se inscreveram em 130 locais em 20 países. O endpoint primário do estudo é a sobrevida livre de eventos (EFS), que é definida como morte ou transformação em AML em participantes com MDS ou CMML, o que ocorrer primeiro, e é definida como morte em participantes com AML com contagem baixa de células blásticas.
  • PEVOLAM (NCT04090736)
    • O estudo PEVOLAM é um estudo clínico de Fase 3 randomizado, controlado, aberto e multicêntrico, realizado em colaboração com a PETHEMA Foundation e concebido para avaliar a segurança e eficácia do pevonedistat mais a azacitidina versus a azacitidina versus a azacitidina em monoterapia em participantes com LMA que não sejam elegíveis para transplante/quimioterapia de indução e não receberam terapias anteriores. Aproximadamente 466 participantes serão inscritos na Espanha e Portugal. O endpoint primário da avaliação é OS.
  • Pevonedistat-1016 (NCT03814005)
    • O estudo Pevonedistat-2002 é um estudo clínico de fase 1/1b, multicêntrico, aberto e não randomizado de pevonedistat em combinação com a azacitidina, idealizado para caracterizar a farmacocinética do pevonedistat, avaliar a segurança e determinar a dose de pevonedistat, em combinação com a azacitidina, em participantes com MDS, CMML e AML que também apresentem insuficiência renal grave ou insuficiência hepática leve. Sessenta participantes serão inscritos nos Estados Unidos e na Espanha. O endpoint primário do estudo é a área sob a curva de concentração-tempo no plasma, avaliada após uma dose única em períodos pré-determinados.

Compromisso da Takeda com a oncologia

A missão central de P&D da Takeda é proporcionar novos medicamentos para pacientes com câncer no mundo inteiro, através de nosso compromisso com a ciência, inovação revolucionária e paixão por aprimorar a vida dos pacientes. Seja através de nossas terapias de hematologia, pipeline robusto ou medicamentos consistentes para tumores, o objetivo da Takeda é continuar sendo inovadora e competitiva para oferecer aos pacientes os tratamentos que precisam. Para mais informações, visite www.takedaoncology.com.

Sobre a Takeda Pharmaceutical Company Limited

Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE:4502/NYSE:TAK) é uma importante empresa biofarmacêutica global baseada em valores, orientada à pesquisa e desenvolvimento (P&D) e com sede no Japão, e que tem o compromisso de proporcionar uma saúde melhor e um futuro mais promissor para os pacientes, transferindo a ciência a medicamentos altamente inovadores. A Takeda concentra os seus esforços de P&D em quatro áreas terapêuticas: oncologia, doenças raras, neurociência e gastroenterologia (GI). Também faz investimentos orientados à P&D em terapias e vacinas derivadas de plasma. O nosso foco está no desenvolvimento de medicamentos altamente inovadores, que contribuem para fazer a diferença na vida das pessoas, avançando a fronteira de novas opções de tratamento e tirando proveito de nossa aprimorada capacidade e mecanismo colaborativos de P&D para criar um pipeline robusto e diversificado de modalidades. Os funcionários da Takeda têm o compromisso de aprimorar a qualidade de vida dos pacientes e de trabalhar com os nossos parceiros em cuidados de saúde em aproximadamente 80 países.

Para mais informações, acesse https://www.takeda.com.

Aviso Importante

Para os fins deste aviso, “comunicado de imprensa” significa este documento, qualquer apresentação oral, qualquer sessão de perguntas e respostas e qualquer material escrito ou oral discutido ou distribuído pela Takeda Pharmaceutical Company Limited (“Takeda”) em relação a este comunicado. Este comunicado de imprensa (incluindo instruções orais e perguntas e respostas relacionadas a ele) não se destina a, e não constitui, representa ou faz parte de, qualquer oferta, convite ou solicitação de qualquer oferta de compra, ou outro tipo de aquisição, assinatura, troca, venda ou alienação de quaisquer valores mobiliários ou a solicitação de qualquer voto ou aprovação em nenhuma jurisdição. Nenhuma ação ou outros títulos estão sendo oferecidos ao público através deste comunicado de imprensa. Nenhuma oferta de valores mobiliários deve ser feita nos Estados Unidos, exceto nos termos do registro no âmbito da Lei de Valores Mobiliários dos EUA de 1933, conforme alterada, ou uma isenção dela. Este comunicado de imprensa está sendo fornecido (juntamente com qualquer informação adicional que possa ser fornecida ao destinatário) com a condição de que seja utilizado pelo destinatário apenas para fins informativos (e não para a avaliação de qualquer investimento, aquisição, alienação ou qualquer outra transação). Qualquer falha no cumprimento dessas restrições pode constituir uma violação das leis de valores mobiliários aplicáveis. As empresas nas quais a Takeda detém direta e indiretamente investimentos são entidades separadas. Neste comunicado à imprensa, “Takeda” é usado algumas vezes por conveniência, quando são feitas referências à Takeda e às suas subsidiárias em geral. Da mesma forma, as palavras “nós”, “nos” e “nosso” também são usadas para fazer referência às subsidiárias em geral ou àqueles que trabalham para elas. Estas expressões também são usadas quando nenhum objetivo útil é atendido através da identificação da empresa ou empresas em particular.

Declarações Prospectivas

Este comunicado de imprensa e quaisquer materiais distribuídos em associação com este comunicado podem conter declarações prospectivas, crenças ou opiniões relacionadas aos negócios futuros, posição futura e resultados de operações da Takeda, que incluem estimativas, previsões, metas e planos para a Takeda. As declarações prospectivas incluem frequentemente, entre outros, palavras como “metas”, “planos”, “crenças”, “esperanças”, “continua”, “espera”, “almeja”, “pretende”, “garante”, “irá”, “pode”, “deverá”, “iria”, “poderia” “antecipa”, “estima”, “projeta” ou expressões semelhantes ou o seu antônimo. Estas declarações prospectivas são baseadas em suposições sobre muitos fatores importantes, incluindo os seguintes, que podem fazer com que os resultados reais difiram materialmente daqueles expressos ou implícitos nas declarações prospectivas: as circunstâncias econômicas que envolvem os negócios globais da Takeda, incluindo condições econômicas gerais no Japão e nos Estados Unidos; pressões e desenvolvimentos competitivos; alterações em leis e regulamentos aplicáveis; o sucesso ou fracasso dos programas de desenvolvimento de produtos; decisões das autoridades reguladoras e a sua época; flutuações nas taxas de juros e de câmbio; reclamações ou preocupações relacionadas à segurança ou eficácia de produtos comercializados ou produtos candidatos; o impacto da crise de saúde, como a nova pandemia do coronavírus, na Takeda e em seus clientes e fornecedores, incluindo governos estrangeiros nos países em que a Takeda atua, ou em outras facetas de seus negócios; o momento e o impacto dos esforços de integração pós-fusão com empresas adquiridas; a capacidade de alienar ativos que não são essenciais para as operações da Takeda e o momento de qualquer desinvestimento; e outros fatores identificados no relatório anual mais recente da Takeda no formulário 20-F e outros relatórios da Takeda arquivados na Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, disponíveis no site da Takeda em: https://www.takeda.com/investors/reports/sec-filings/ ou em www.sec.gov. A Takeda não assume nenhuma obrigação de atualizar qualquer uma das declarações prospectivas contidas neste comunicado à imprensa ou quaisquer outras declarações prospectivas que possa fazer, exceto quando exigido por lei ou regra da bolsa de valores. O desempenho passado não é um indicador de resultados futuros, e os resultados ou declarações da Takeda da Takeda neste comunicado de imprensa podem não ser indicativos e não são uma estimativa, previsão ou projeção dos resultados futuros da Takeda.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Meios de Comunicação no Japão
Kazumi Kobayashi
kazumi.kobayashi@takeda.com
+81 (0) 3-3278-2095

Meios de Comunicação fora do Japão
Sara Noonan
sara.noonan@takeda.com
+1-617-551-3683

 

© Business Wire, Inc.

Aviso:
Este documento não é de autoria da AFP e a AFP não pode se responsabilizar por seu conteúdo. Para esclarecer qualquer dúvida sobre o conteúdo, por favor, contate as pessoas/empresas indicadas neste comunicado de imprensa.

Contato AFP

Você quer fazer um comentário? Escreva-nos...